Empreteiro relatará propina em obra de Aécio Neves

O empreiteiro Léo Pinheiro, sócio e ex-presidente da OAS, deve relator que pagou suborno aassistentes de Aécio Neves na época em que ele era governador de Minas Gerais. Segundo informações da Folha de S. Paulo, o esquema está documentado e envolve a construção da Cidade Administrativa.


Aécio foi governador de MG entre 2003 e 2010. A obra citada foi a mais cara de toda a gestão do tucano no estado. De acordo com Pinheiro, a OAS pagou 3% sobre o valor da obra a Oswaldo Borges da Costa Filho, um dos auxiliares do agora senador.

Mais conhecido como Oswaldinho, o assistente é apontadocomo tesoureiro informal das campanhas de Aécio entre 2002 e 2014. O senador nega irregularidades na construção afirma não ter recebido recursos ilícitos. Em nota, ele afirmou que as acusações são "falsas"e "absurdas".

A obra de Cidade Administrativa foi orçada inicialmente em R$ 949 milhões, mas custou R$1,26 bilhões aos cofres públicos. Junto ao custo de mobiliário e outros itens, o valor chega a R$ 2,1 bilhões.

A empreiteira de Pinherio fez três prédios do complexo junto à Odebrecht e à Quieroz Galvão. No acordo, Odebrecht era o líder, com 60% do valor contrato. OAS e Queiroz Galvão eram responsáveis por 25,71% e 14,25%, respectivamente. Como a OAS obteve R$ 102,1 milhões, os 3% da suposta propina corresponderiam a pouco mais de R$ 3 milhões.

Folha de S. Paulo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.